- O MESMO FADO -


2002

O MESMO FADO


01_ O mesmo fado
02_ Senhora do Livramento
03_ Beijos de fogo
04_ Guitarra triste
05_ Jogo de sedução
06_ Arraial
07_ Trago Alentejo na voz
08_ Triste fado
09_ Noite despida
10_ Fado alcantarado
11_ Terra da minha gente
12_ Minguante das luas
04_ GUITARRA TRISTE

(Álvaro Duarte Simões)

 

Ninguém consegue,

Por muito forte que seja

Alcançar o que deseja

Seja qual for a ambição

Se não tiver

Dando forma ao seu valor

Uma promessa de amor

Que alimenta uma ilusão

 

Uma mulher é como uma guitarra

Não é qualquer que a abraça e faz vibrar

Mas quem souber o modo como a agarra

Prende-lhe a alma, às mãos que a sabem tocar

Por tal razão se engana facilmente

Um coração que queria ser feliz

Guitarra triste que busca um confidente

Não mãos de quem não sente

O pranto que ela diz

 

Não há ninguém

Que não peça à própria vida

A felicidade merecida

Para que um dia nasceu

Mas de tal forma

A vida sabe mentir

E a gente chega a sentir

O bem que ela não nos deu